Novembro, 1995
Coração é terra que ninguém manda.
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios PerfilPerfil ContatoContato
Textos

PRIMEIRA VEZ
As luzes da sala foram se apagando...

Todos foram dormindo, cansados do dia, mas continuamos ali (apesar do sono). Quando a última luz se apagou, acendeu em nós uma chama. Nossas mãos foram se encontrando, seu toque gelado se chocou com o quente do meu. As mãos suando, se tocando, se conhecendo depois de tanta espera (grande espera). Até que enfim, nossos olhares se encontraram.

Não conseguimos desgrudar do toque, nenhum minuto sequer.
O olhar falava por nós a todo momento, até que então, houve um beijo!
Logo eu, sempre cheia de iniciativa, me surpreendi ao ouvir: - me beija.
Um beijo trêmulo, ansioso, desesperado... Sedento de puro desejo do outro. A espera acabou! Selamos o nosso dia com aquele beijo!

(E depois, acabamos no quarto... Para então, finalmente, consumarmos o ato... Tão esperado)

INTERAÇÃO DO QUERIDO AMIGO POETA JACÓ FILHO.

Ao vir a pessoa certa,
Os desejos falam alto...
Orgulhos descem do salto,
E em amor, se oferta.
Intensidades
Enviado por Intensidades em 20/06/2018
Alterado em 03/07/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários